Meia maratona de Barcelona 2017

Confesso que tinha um pouco de preguiça, sim, me dava preguiça de pensar que havia uma possibilidade elevada de que nos chovesse. Já nos havia passado a última meia-maratona que corríamos juntos Yolanda e eu, em Madrid, no dia 23 de outubro do ano passado. E a verdade, se tivesse sido um desafio onde puseste toda a tua ilusão, o seu tempo nos treinos específicos, em preparar sua mente para aquele dia, não hesitaria nem por um instante em pular da cama para plantarme na linha de partida, seja com chuva, trovões ou relâmpagos. Mas, não era o caso, o caso é que nos havíamos apontado para a média quase que por tradição e para que o Yola treinar para a maratona de Boston é ao virar da esquina, aproveitando que tinha vindo a partilhar comigo cenário no nosso primeiro evento de HeroBars “Salted&Beers” que celebramos na quinta-feira. Um evento em que falamos de Ironman, a Titan Desert, de treinos, de que comemos e como nos nutrimos para enfrentar estas distâncias.

Salted&Beers

A partir daqui, quero agradecer a Yola seu entusiasmo com HeroBars, com o esporte e com a nutrição saudável. Também nos acompanharam Mônica Batan e Ana Pérez de Mundo Colaborou. Um milhão de agradecimentos por ter vindo J

Falando ontem com Ester Galindo e contando como eu tinha ido para a meia maratona cheguei a um ponto. Acho que é importante saber qual é o nosso ponto, onde e como queremos nos concentrar. O que significa isso? Para mim, a essa altura de minha vida, de 49 anos, o ponto é, sem dúvida, fazer com que cada dia seja um ponto possível, não lesionarme porque me frustraría muito ter que fazer uma pausa para recuperar da lesão, de forma adequada e poder continuar a desfrutar do esporte.

O que se diz abertura da meia maratona de Barcelona, não preparei. Estou voltada para HeroBars, o foco do dia-a-dia está na criação de barras de energia saudáveis, seguindo a linha de Phil em nutrição e isso me emociona. Mas não quero deixar de participar na corrida, triathlon, marchas cicloturistas etc.

A média de treino está em cinco horas semanais, aproximadamente, uma semana mais, algumas menos. Eu continuo com as famosas 12 agachamento e pouca coisa mais. Bem, sim, tenho eliminado por completo os alimentos processados. Estas horas de treino estão repartidas da seguinte forma, de duas horas de natação, uma ou duas saídas de carreira, distribuídos em 30 minutos de caminhada para aquecer, 60 minutos de run, a 137 batidas e um dia de bicicleta, no horário da terceira idade, saio as 11;00 da manhã e volto às 13:00. Há sempre um desses dias que falha por qualquer circunstância, e de lá que esteja neste média de cinco horas semanais. Antes da meia-maratona

Digo isso, porque a última meia-maratona em Madrid, foi um pouco desastre, desastre como corri e como a vivi. Um resultado longe do desejado, de sensações, de tempo, de como a enfoqué etc. No domingo passado, eu pensei que seria bom tentar manter um ritmo. Que sempre fora o mesmo. Os primeiros 10 km, fomos juntas Yolanda e eu acompanhadas de Davi, e íamos chinês chano. No km 10, eles seguiram um ritmo mais elevado e desapareceram de minha vista.

Recuero sentir-se bem, veja, eu pude encontrar o ponto em que você vai em harmonia, senti e pensei que o método de Phil se empodera, se está forte e saudável, você tem tudo e embora a minha formação é de ter reduzido a cinco horas semanais, não tinha parte do corpo que eu notara, estava tudo perfeito, nem rastro de não ter treinado esta prova especificamente. Eu estava feliz, quando você está bem e corre, você entra em uma espécie de mantra, só se reconhece a si mesmo, todos os corredores que vão ao seu lado, não existem, não os vê, não ouve, não se distraem desse momento tão pessoal que é de correr a sua própria carreira, corre e se sente bem, sem sofrimento, apenas curtindo. Encontrar a união de corpo e mente é fantástico, difícil, mas quando você começa poderia correr muitos quilômetros, sem pensar em nada. Para mim é um máximo, sim, eu reconheço, eu não gosto de sofrer, e domingo, gostei muito da corrida.

Chegada da meia maratona

Agora que começamos a deixar o inverno para trás, quero treinar mais. Esta manhã eu me inscrito em uma marcha cicloturista, que se realizará em maio e é a desculpa perfeita para me fazer um pouco mais sério com o treino.

Sou muito fã do método de Phil, eu amo.

Leave a Reply